Abadore Muare, o Portal para a sua evolução !
Tinteiro Abadore Muare  - O portal para a sua evolução !   Valid HTML 4.0 Transitional

Principal  | »Alimenta tua alma  | Informática  |  Seu espaço  | Ab-Empório  | Colunas

»Crônicas  | Ab-bobrinha  | Espaço Cochicho (In Memorian)  | Vivas vividas em Paracatu


     O meu tipo de homem

(Ísio Ribeiro Júnior)


Leia abaixo a nota do editor, não é nada do que você está pensando ... :)

     Definitivamente HOMEM, pra começar. Nada de trejeitos e coisas do gênero, dessa parte eu mesma cuido. Meu homem-modelo é sincero, bonito, dedicado,fiel e muito, muito atencioso. Possui uma deliciosa e bem-temperada mistura de brutalidade com delicadeza. Quando me abraça sinto-o por inteiro; cheiro, pêlos, músculos, másculo, carinho, abrigo e proteção, o que cai muito bem mesmo que eu não queira admitir. Um abdômen reto como uma tábua e uma barba religiosamente bem feita ? Talvez, mas não é imprescindível. Mesmo porque quem é que não gosta de afagar carinhosamente a barriguinha de seu gato ?
     Nós mulheres possuímos as mais diversas fantasias sobre o homem ideal, mas frequentemente nos entregamos a alguém que nem de longe corresponde a ele, e o que irrita mesmo
é que, de repente, esse alguém acaba por satisfazer nossos desejos bem melhor que a encomenda; e quem não tiver passado por isso que atire a primeira pedra. Uma boa posição social, uma bela conta bancária, um carro novinho para passear, tudo isso pode até ajudar, mas nada se compara à sensação de vê-lo, pensá-lo, sentí-lo quando meu coração dispara, minhas pernas ficam trêmulas, e os suores nas minhas mãos conspiram com o rubor da minha face, anunciando a todos que o meu gato está por perto, ainda que em pensamentos.
     Finalmente,uma coisa que não posso negar é que meu tipo de homem é aquele que penetra no meu íntimo, e jamais vai embora sem esperar agradecimento.


Nota do editor: Este texto surgiu de uma situação curiosa; a namorada do autor viu um concurso de redação numa revista feminina, cujo tema era justamente ”O meu tipo de homem”. Recorreu então à ajuda de seu amor, que na ocasiào inscreveu sob o nome dela o texto acima. não venceu, é verdade, porém dali a alguns meses, uma editora que havia comprado os direitos sobre os trabalhos não classificados procurou-os, imagine a situação de explicar a eles o que havia acontecido !! :)
Próximo: Os dez segredos do amor abundante Voltar para crônicas