Abadore Muare, o Portal para a sua evolução !
Tinteiro Abadore Muare  - O portal para a sua evolução !   Valid HTML 4.0 Transitional

Principal  | »Alimenta tua alma  | Informática  |  Seu espaço  | Ab-Empório  | Colunas

Crônicas  | Ab-bobrinha  | Espaço Cochicho (In Memorian)  | »Vivas vividas em Paracatu


"Era muita gente tirando ouro, só os ricos não mexiam com o ouro"

André Rodrigues

Nascimento:  29 de Abril de 1915
Residência :  Rua Tório, 104. Bairro Amoreiras II
Entrevista:  17 de Março de 1999

    Eu chamo André Rodrigues, nasci em 29 de abril de 1915. O meu pai chamava João André e minha mãe Maria Cândida. O meu pai carreava carro de boi, levando mercadoria para Patos de Minas. Levava arroz, feijão, milho e tecido. Ele morava em uma fazenda perto da Lagoa Formosa. Mais tarde, toda família mudou para o Bagre, perto de Vazante, era um povoado.
     Ele trabalhava na Fazenda do Belmiro e levava queijo para Patrocínio e de Patrocínio trazia o açúcar, café e sal. Depois mudou para os Olhos d'água, fazenda de Sr. Anísio Botelho e tocava lavoura de cana. Preparava o terreno, plantava e cortava a cana e além disto ele plantava roça de milho, feijão, arroz, mandioca, e o que sobrava da despesa era vendido. Ele plantava 3 léguas de canavial, na beira do córrego Olhos d'água. No tempo certo, a cana era cortada e vendida para o Sr. Anísio Botelho.
    Na fazenda do Sr. Anísio agente moía a cana , fazia açúcar, pinga e rapadura. Nós morávamos na fazenda de graça e o que plantava era vendido para o dono da fazenda. Quando saía da fazenda, não tinha nenhum direito, deixava tudo lá. Nós ficamos morando lá uns 5 a 6 anos, mais ou menos.
     A minha mãe fazia costura para quem precisasse, fazia de tudo, costurava para homem e mulher. Ela tecia no tear fazendo coberta, tapete e pano de algodão. Ela fiava na roda e depois fazia o pano. Tirava là do carneiro. Nós tínhamos uns 10 carneiros para mamãe tirar a là.
     Em 1930 toda a família mudou para Paracatu, viemos morar no Largo do Santana, naquela rua que desce para o atual campo de futebol. A igreja do Santana já estava muito velha, quase desmanchando. Um dia derrubaram a igreja e levaram tudo dela para a Matriz. Aqui no Santana, apenas a atual rua Sérgio Ulhoa era calçada de pedra e as ruas restante no Santana, eram de chão. O largo do Santana era todo de chão, era uma terra vermelha. No arraial d'Angola tinha poucas casas e tudo era chão.
    As casas eram de adobe com telhas comum. No Paracatuzinho e no Arraial d'Angola tinha rancho de capim.
     Aqui em Paracatu, toda a família passou a trabalhar tirando ouro na praia do Santana e no Brocotó.     Nós levantávamos às 6:00h. da manhà para tirar ouro. Rapava a terra no barranco, punha no caixote, jogava água e ia lavando a terra. O esmeril ficava no caixote e escorria também para o pano. A gente recolhia o esmeril e batiava e tirava o ouro. Na bateia era só a água que lavava o esmeril, não colocava mercúrio nem azougue. Secava o ouro e colocava no vidro e vendia aqui na cidade. A gente fazia 100$000 ( cem mil reis) por semana. Pegava um caixote e colocava nele 4 pernas do mesmo tamanho. Punha na boca do caixote um ralo. O ralo era uma folha de lata furada com prego. Furava a folha todinha com prego. Jogava a terra com cascalho em cima do ralo. O cascalho grosso não vazava, isto é, não caía dentro do caixote. Dentro do caixote só caia a água e o esmeril. Na ponta do caixote a gente fazia uma bica de tábua e dentro da bica colocava um pano de linhagem. A água passava no pano e o ouro ia ficando grudado no pano.
     Tinha também o trabalho de puxado. A gente fazia um buraco na praia com 2 a 3 metros de largura de profundidade. A profundidade era até pegar o barro. Lá dentro do buraco, com uma enxada de cabo cumprido a gente ia puxando o cascalho e a terra para fora da água. Lá dentro do buraco ia puxando o cascalho para direita e esquerda, sendo que no meio ficava o cascalho fino com o esmeril. Este cascalho fino e o esmeril era então colocado no caixote para tirar o ouro.
     Era muita gente tirando ouro, só os ricos não mexiam com o ouro. Todo pobre, inclusive as mulheres e os filhos pequenos tiravam ouro. O ouro dava para o sustento folgado da família. Depois, larguei o ouro e fui tocar boiada a cavalo. O meu patrão era Iraci Costa e a fazenda era em Monte Carmelo. Vinha aqui em Paracatu comprar gado, trazia toucinho para vender e comprava boi de corte. Vinha o patrão, eu e mais 4 a 5 peões, todo mundo montado em burro. Cada peão trazia dois burros, um para montar enquanto o outro descansava. Comprava boi também em Formosa dos Couros, e em Vão dos Angicos. A gente comprava 1.500 a 2.000 bois. Para tocar toda esta boiada gastava uns 10 peões, todos montados em burros. Na frente da boiada ia o peão tocando berrante, dos lados e atrás da boiada ia o restante da peãozada . Muito na frente da boiada ia o cozinheiro, o ajudante, o cargueiro e tropa de burro que estava atoa. Quando chegava no ponto de pouso a comida já estava pronta, deixava o gado no pasto e a gente ia comer. Quando a noite chegava, parava a boiada e os peões iam jantar e depois dormir na rede. De Paracatu a Monte Carmelo gastávamos uns 10 dias. A comida era arroz, feijão, carne de sol . Trabalhei nesta fazenda uns cinco anos.
     Na cabeça do arreio sempre tinha um litro de pinga e a gente ia tomando umas goladas. Naquele tempo a pinga era muito boa. A estrada de Paracatu a Guarda-Mor é esta mesmo que está aí, só que era de chão puro. A boiada era contada a noite, na hora que punha no pasto. Contava também de manhà quando ia pegar a boiada. Em vez em quando era contada na passagem da porteira, durante o dia.


Próximo: Francisco André