Abadore Muare, o Portal para a sua evolução !
Tinteiro Abadore Muare  - O portal para a sua evolução !   Valid HTML 4.0 Transitional

Principal  | »Alimenta tua alma  | Informática  |  Seu espaço  | Ab-Empório  | Colunas

Crônicas  | Ab-bobrinha  | Espaço Cochicho (In Memorian)  | »Vivas vividas em Paracatu


"Eu não sabia ler, eu pegava a Bíblia e ia ajuntando letra por letra até saber ler. Ler a Bíblia foi a maior alegria de minha vida"

Anízia Moreira da Silva

Nascimento:  28 de Dezembro de 1906
Residência :   Praça Euzébio, 53
Entrevista:  4 de abril de 1999

    Meu nome é Anízia Moreira da Silva, nasci em 1906, o meu pai chamava Francisco Moreira da Silva e minha mãe Maria pereira da Silva. O meu pai tinha uma fazenfinha chamada Fazenda Soares lá na Serra da Contagem, distante de Paracatu apenas duas léguas. O meu pai, além de tocar a fazenda era carpinteiro e pedreiro.
    O meu avô Domingos Pereira Tavares me contava que todo o calçamento de Paracatu foi feito pôr escravos. Eles buscavam as pedras lá na Serra e carregavam aquelas pedras grande na cabeça. O meu avô falava que tinha muita dó dos escravos, porque eles trabalhavam muito e que foram eles que fizeram o corte do mestre campos.
    Lá na fazenda nós cuidávamos das plantações de mandioca, milho, arroz, feijão e cana. Nós tínhamos a moagem de cana donde fazíamos a rapadura e o açúcar de forma. Nós ainda fazíamos a farinha de mandioca. Todo mundo que morava na fazenda trabalhava muito, a gente acordava antes do sol nascer e só ia dormir às 9horas da noite. Plantava a mandioca, colhia, descascava, lavava, ralava, punha na prensa de madeira, esfarelava na roda, coava e torrava no forno. A gente também fazia a goma da mandioca. A gente fazia a goma assim: ralava a mandioca, punha água, coava no saco de pano de algodão, deixava o que foi coado na maceira e quando a goma estava assentada, ia escorrendo a água e ficava só a goma. Colocava a goma para secar e ai tinha a goma.
     O nosso engenho era de pau e só mais tarde compramos um engenho de ferro. O engenho de pau era tocado a boi e o de ferro com cavalo. A garapa punha no tacho grande e colocava no fogo até o melado dar ponto, quando dava o ponto punha na maceira e batia com remo de pau e ao endurecer punha na forma de madeira, deixava secar e empacotava a rapadura com bagaço de cana. A gente também fazia o açúcar: deixava o melado dar ponto mais brando e ali ficava até açucarar e esfriar, então, punha numa forma grande de tábua, espalhava o melado açucarado bem na forma e quando a forma estava cheia punha uma camada de barro por cima e ali deixava por oito dias, retirava o barro, e punha o açúcar para secar. A forma do açúcar tinha um lugar para o melado que não virou açúcar ir escorrendo. Ficava no varal dois dias secando e depois de seco, batia no açúcar com o pau para esfarelar bem e depois ensacava. Na fazenda se plantava algodão e depois de colhido, colocava o algodão no descaroçador, depois batia no arco para ele ficar solto e depois a gente ia fiar na roda.
     A carne a gente retalhava, punha na maceira, salgava e punha no varal para secar. Na fazenda criava-se galinha, porco e gado de leite.Com o leite a gente fazia requeijão e queijo. As roupas dos homens e mulheres eram feitas lá na fazenda. As roupas de algodão era para o trabalho e de pano para as festas. As mulheres ainda tinham tempo para bordar e fazer crochê. As saias eram sempre de algodão, a gente fiava e tingia com tinta de pau. A blusa era sempre de chita. Os homens usavam as calças e as camisas de algodão. Na época oportuna a gente enchia o carro de boi de rapadura, açúcar, queijo, requeijão, goma, farinha de mandioca, carne seca, arroz, feijão e milho e vinha vender aqui em Paracatu. A gente já tinha os fregueses certos era só chegar e entregar a mercadoria.
    O trabalho na fazenda era muito duro, pois, além de tudo, tinha que apanhar lenha no mato, lavar roupa, costurar fazer comida e outros serviços. Eu fiquei crente presbiteriana em 1927 e não sabia ler, eu pegava a bíblia e ia ajuntando letra por letra até sabia ler. O saber ler a bíblia foi a maior alegria de minha vida. Eu nunca casei, nunca fiquei com homem algum, porque Deus não foi servido. não tenho medo da morte, quando Deus chama é melhor estar lá com Ele do que aqui está.
    Quero deixar uma mensagem para todos, que é ler os Salmos 121 e 23, gosto muito desses salmos e todos os dias eu os leio e oro a Deus.


Próximo: Everardo Santana