Abadore Muare, o Portal para a sua evolução !
Tinteiro Abadore Muare  - O portal para a sua evolução !   Valid HTML 4.0 Transitional

Principal  | »Alimenta tua alma  | Informática  |  Seu espaço  | Ab-Empório  | Colunas

Crônicas  | Ab-bobrinha  | Espaço Cochicho (In Memorian)  | »Vivas vividas em Paracatu


"Os antigos de Paracatu sempre falavam que Dona Beija morou aqui"

Teófílo Barbosa de Oliveira

Nascimento:  05 de Março 1912
Residência :  Rua Antônio Porto , 28
Entrevista:  05 de Junho 1999

    João Barbosa de Assis e Caetana Souza Tavares eram meus pais. Ele era roceiro, fazia serviço braçal lá na fazenda Santo Aurélio, na beira do Rio Paracatu. A mamãe fazia todo o serviço doméstico em casa. Eu nasci na fazenda Santo Aurélio. não lembro nada dos meus avós, o papai nunca contou nada a respeito deles. Na roça a gente não tinha infância, só trabalhava o dia inteiro, correndo daqui para ali. Lá na roça, desde criança eu capinava envernada, fazia cachaça, rapadura, açúcar. Desde criancinha eu tocava burro no engenho.
    O papai morreu quando eu tinha dez anos. A mamãe era muito pobre e tinha seis filhos e passamos a ficar rodando de roça em roça e só depois é que viemos para Paracatu. Eu era o irmão mais velho.
     Viemos morar na Rua Pinheiro Chagas e esta casa já foi demolida. A casa era alugada e eu tinha que trabalhar muito para sustentar a família. Trabalhei como ajudante de caminhão, viajando para são Paulo, Belo Horizonte e outros lugares. O caminhão era de José Plínio Cordeiro e de Joaquim Pedro Neiva.
    A estrada era só de chão. O caminhão quebrava e a gente ficava na estrada dois a três dias, sem comida. Para chegar em Belo Horizonte tinha que passar por Patos de Minas, e a viagem durava um mês para ir e voltar. Eu ganhava 200$000(duzentos mil reis) por mês.
     Depois larguei o caminhão e comprei duas carroças e fui ser carroceiro aqui em Paracatu. Com as carroças eu buscava areia, cascalho e carga do comércio. Também tirava os entulhos de construção. Trabalhei dez anos como carroceiro e depois da carroça fui trabalhar de guarda-noturno na Prefeitura. Eu fazia a guarda da garagem, e do prédio da Prefeitura. Arrumei esse emprego porque pedi ao Joaquim Batista Franco e ele me atendeu. não gostei de ser guarda, mas eu tinha que trabalhar.
    Acabei adoecendo da vista e aposentei pelo INPS. Fiquei na prefeitura oito anos, no caminhão onze anos e dez anos como carroceiro.
    Aqui em Paracatu tinha muita carroça e carro de boi. O carro de boi vinha aqui trazer lenha e mercadoria e a carroça era para fazer o serviço da cidade. O ponto de minha carroça era onde é a Telebrasília hoje. A carroça era puxada por burro e quem fazia carroça aqui em Paracatu era o Sr. José Popô e ele fazia muita carroça . O Sr. Popô fazia carroça muito bem feita. Nunca estudei, meu pai era pobre, minha mãe pobre.
     Criamos todos os irmãos sem estudo, não tínhamos condições. Aqui em Paracatu. Aqui tinha muitas igrejas, as ruas eram calçadas de pedra e muitos eram os carros de boi e carroças. Tinha também as festas das igrejas. As festas mais animadas eram a de Santo Antônio, são João e são Benedito. De todas, a mais animada era de são Benedito.
     Esta casa que estou morando é minha, comprei com o trabalho na carroça. A vida antiga era melhor para saúde e era mais difícil para ganhar dinheiro, o dinheiro valia. Naquele tempo não tinha esta doençada que tem hoje. não tinha a diabete, o câncer e a doença de coluna. O povo era mais saudável. No tempo do governo de Getúlio Vargas ele sozinho comandava o Brasil e era tudo organizado. Hoje o presidente tem tanta gente para acompanhar ele e é tudo desorganizado. Trabalhei muito também na Lagoa da Prata tirando ouro com Isidoro, pai de Lurdinha de Pedrinho da Preferida. Para ir tirar ouro a gente passava por uma trilha e um dia Isidoro uniu e amarrou os capim de um lado e outro da trilha, para quem passasse pudesse trupicar e cair, só que ele não esperava que foi sua esposa a Djanira André que trupicou no capim amarrado e caiu. Mas acabou tudo em brincadeira e muita risada som Djanira lá no chão.
    Os antigos de Paracatu sempre falavam que Dona Beija morou aqui.


Próximo: Odila Dulce Oliveira Souto